Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://palavrasesentidos.blogs.sapo.pt



Sábado, 26.11.16

Amadeo de Souza Cardoso

 

Nasceu a 14 de Novembro de 1887, em Manhufe,  concelho de Amarante e morreu a 25 de Outubro de 1918 em Espinho, vitimado pela febre pneumónica, tão usual na época.
É pioneiro da pintura modernista do princípio do século XX. Em 1905 matriculou-se em Arquitetura, em Lisboa, mas quando partiu para Paris, no ano seguinte, escolheu a pintura. Realizou a primeira exposição no seu atelier  juntamente com o pintor italiano Modigliani, de quem se tornou amigo, bem como Robert Delaunay, Juan Gris e Max Jacob, entre outros.

Expõe em Berlim, publica o álbum XX Dessins, ilustra o manuscrito de La légende, de Flaubert, e em 1913 é selecionado para participar na exposição que dá a conhecer o modernismo europeu aos Estados Unidos - o Armory Show. Amadeo incorpora na sua pintura elementos das novas tendências,  o expressionismo, cubismo, futurismo, abstracionismo, bem como elementos da arte africana, da tapeçaria oriental, da iluminura, da ilustração. Do cubismo passa para o expressionismo alemão em Máscara de Olho Verde (1914).
Durante a Primeira Grande Guerra refugiou-se em Amarante. A presença de Sonia e Robert Delaunay, em Vila do Conde, a contemporaneidade do movimento do Orpheu e do Futurismo, de artistas como Eduardo Viana, Almada Negreiros e Santa-Rita Pintor, criaram um momento especial na pintura portuguesa desses anos conturbados. Na pintura o Cristo Vermelho, de 1918, e nos últimos quadros, sintetiza as várias estéticas que utilizou, integrando elementos picturais da imagística popular.

O Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, vai recriar a única exposição de Amadeo de Souza Cardoso, a par de um ciclo de conferências dedicadas a Amadeo para festejar a efeméride, que decorreu em 1916, nos jardins de Passos Manuel no Porto. Foi totalmente feita e organizada pelo pintor nos mais ínfimos pormenores.

Foi neste contexto que Almada Negreiros escreveu, num manifesto de apoio à mostra de 1916, que "a Descoberta do Caminho Marítimo p'rá Índia é menos importante do que a Exposição de Amadeo de Souza Cardoso na Liga Naval de Lisboa".

Das  obras expostas no Porto há 100 anos, vão estar aproximadamente 70% das obras identificadas a partir dos catálogos originais.

A exposição vai procurar articular a pintura com os espaços expositivos, o Jardim Passos Manuel, que foi demolido e deu lugar ao Coliseu do Porto, e a Liga Naval de Lisboa, palácio Calhariz-Palmela, no largo Calhariz, atualmente uma agência da Caixa Geral de Depósitos.

imagesF29V7Z2R.jpg

quadro.pngimages2GYHW6DQ.jpg

 

museu.jpginterior.jpg

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por palavrasesentidos às 10:14


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2016

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930