Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

http://palavrasesentidos.blogs.sapo.pt



Quinta-feira, 23.03.17

Dia Internacional do Teatro

O teatro surge na Grécia com o chamado “ditirambo”, um tipo de procissão informal que servia para homenagear o deus do vinho, Dionisio. Mais tarde o “ditirambo” evoluiu, tinha um coro formado por coreutas e pelo corifeu,que cantavam, dançavam, contavam histórias e mitos relacionados a Deus. A grande inovação deu-se quando se criou o diálogo entre coreutas e o corifeu. Cria-se assim a ação na história e surgem os primeiros textos teatrais.
Muitas das tragédias gregas foram escritas por Ésquilo, Sófocles e Eurípedes.
A principal obra de Ésquilo, Prometeu Acorrentado, contava factos sobre os deuses e os mitos; Sófocles  escreveu Édipo Rei, que tratava as grandes figuras reais; Eurípides, As Troianas, falava dos renegados, dos vencidos e foi considerado o pai do drama.
Aristófanes e a Comédia, é considerado o maior representante da comédia antiga.
Muito se discute a origem do teatro grego e, consequentemente, das tragédias. A primeira versão argumenta que a tragédia, e o teatro, nasceram das celebrações e ritos a Dionísio, o deus campestre do vinho. Em tais festividades, as pessoas bebiam vinho até ficarem embriagadas, o que lhes permitia entrar em contato com o deus homenageado. Homens fantasiados de bodes (em grego, tragos) encenavam o mito de Dionísio e da dádiva dada por ele à humanidade, o vinho. Esta é a conceção mais aceite atualmente, pois explica o significado de tragédia com o bode, presente nas celebrações dionisíacas.
Outra versão relaciona o teatro com os mistérios de Eleusis, uma encenação anual do ciclo da vida, isto é, do nascimento, crescimento e morte. A semente era o ponto principal dos mistérios, pois a morte da semente representava o nascimento da árvore, que por sua vez traria novas sementes. A dramatização dos mistérios permitiria o desenvolvimento do teatro grego e da tragédia.
Uma outra conceção diz que o nascimento da tragédia, é de que o teatro nasceu como homenagem ao herói dório Adrausto, que permitiu o domínio dos dórios sobre os demais povos indo-europeus que habitavam a península. O teatro seria a dramatização pública da saga de Adrausto e seu triste fim.
A origem e evolução do teatro, conduz-nos a um denominador comum da tragédia: o métron de cada um. Parte da conceção grega do equilíbrio, harmonia e simetria, defende que cada pessoa tem um métron, uma medida ideal. Quando alguém ultrapassava seu métron, acima ou abaixo, estaria a tentar equiparar-se aos deuses e receberia por parte deles a "cegueira da razão". Uma vez cego, esse acabaria por vencer sua medida inúmeras vezes até que caísse em si, prestes a conhecer um destino do qual não pudesse escapar.
O teatro surgiu a partir do desenvolvimento do homem, através das suas necessidades. O homem primitivo era caçador e selvagem, por isso sentia necessidade de dominar a natureza. Assim, surgem invenções como o desenho e o teatro na sua forma mais primitiva. O teatro primitivo era uma espécie de danças dramáticas coletivas que abordavam as questões do dia a dia, um ritual de celebração, agradecimento ou perda. Estas pequenas evoluções deram-se com o passar de vários anos. Com o tempo, o homem passou a realizar rituais sagrados na tentativa de acalmar os efeitos da natureza, harmonizando-se com ela.
O Dia Mundial do Teatro é celebrado no dia 27 de Março e foi criado pelo Instituto Internacional do Teatro em 1961.
Shakespeare, Molière, e o nosso Gil Vicente, foram nomes grandes da dramatulurgia e teatro. Embora houvesse manifestações teatrais antes da noite de 7 para 8 de Junho de 1502, data da primeira representação do "Auto do Vaqueiro" ou "Auto da Visitação", nos aposentos da rainha D. Maria, mulher de D. Manuel, para celebrar o nascimento do príncipe, o futuro D. João III, esta representação é considerada como o marco de partida da história do teatro português, à qual assistiram além do rei e da rainha, D. Leonor, viúva de D. João II, e D. Beatriz, mãe do rei.
Com o surgimento da civilização egípcia os pequenos rituais tornaram-se grandes rituais formalizados e baseados em mitos. Cada mito conta como uma realidade. Os mitos possuíam regras, de acordo com o que propunha o estado e a religião, a história do mito em ação, ou seja, em movimento. Estes rituais propagavam as tradições e serviam para o divertimento e a honra dos nobres.
No século XIX havia uma preocupação obsessiva com a autenticidade de cenários, até mesmo cavalos vivos subiam ao palco. O desenvolvimento tecnológico modificou todo o aparato técnico que cercava o espetáculo, luzes, cenários, som e efeitos especiais diversos.
Entendia-se os recursos cénicos como meios para colocar o ator no foco das atenções e  a iluminação como principal criadora de ambiência, num cenário vazio e abstrato. Os cenários tornaram-se cada vez mais detalhados e toda a tentativa de abstração ou simbolismo foi condenada, como expressão de formalismo burguês e vazio, algo bem comum na época.
Hoje em dia, entre adaptações de clássicos, textos originais ou peças escritas recentemente, pode esperar-se uma visão heterogénea daquilo que pode ser o teatro contemporâneo que se vai fazendo pelo País.
Soam as pancadas de Molière, o pano sobe e o sonho começa.

 

235px-Bloktheatre.jpg220px-Monólogo_do_Vaqueiro_por_Roque_Gameiro.jpg

 

teatro.png 300px-Paris_Comedie-Francaise.jpg

 

 O interior do Comédie-Française em Paris, (França), onde se pode ver o palco, os camarotes, galerias e fosso da orquestra, a partir de uma aguarela do século XVIII.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

por palavrasesentidos às 19:38


Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031